III Seminário Aberto trará representantes de empresas públicas e privadas, dia 7 de fevereiro.

Especialistas discutirão os cenários futuros para o setor, no cerne das perspectivas de interação entre as duas esferas na prestação de serviços, realização de projetos e desenvolvimento em saneamento.

“A Interação entre o Público e o Privado no Setor de Saneamento”. Este será o tema da terceira edição do Seminário Aberto MBA Saneamento Ambiental, que será realizada no dia 7 de fevereiro, das 9h às 12h30, no auditório da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP. O evento, que reúne especialistas e profissionais para discutir os novos rumos do setor de saneamento e recursos hídricos no Brasil, contará com participação de representantes de empresas públicas e privadas, ocupantes de lugar de destaque no saneamento no país.  

As inscrições gratuitas podem ser feitas aqui.

Na ocasião, durante toda a manhã, serão discutidos os cenários futuros para o setor, no cerne das perspectivas de interação entre as duas esferas na prestação de serviços, realização de projetos e desenvolvimento em saneamento.

À tarde, serão realizadas atividades exclusivas para os alunos e professores do MBA Saneamento Ambiental.

O coordenador administrativo do MBA Saneamento e do MBA PPP e Concessões,Rafael Castilho, comenta sobre a importância da realização. “O Seminário Aberto do MBA Saneamento já faz parte do calendário da comunidade do saneamento no Estado de São Paulo e no Brasil”, destaca. Segundo ele, é uma ocasião em que se reúnem alunos do MBA Saneamento Ambiental, professores do curso e convidados que participam e militam na área. “O setor está em plena transformação, não só pelo ponto de vista das mudanças que estão por vir na legislação, mas também pela necessidade que está imposta para o saneamento, desafios a superar, pelo atraso que o país ainda enfrenta na infraestrutura do setor”, sublinha.

Rafael Castilho enfatiza que um curso a Distância (EAD), como é o MBA Saneamento, não exclui o valor dos encontros presenciais. “São neles que os alunos interagem entre eles, com os professores, com a universidade e com as demais pessoas que compõem o setor”, diz. Ele explica que o evento é uma oportunidade para os alunos. “Trazemos à luz temas que fazem parte da grade curricular dos alunos nas discussões, eles têm acesso aos grandes temas da atualidade, se atualizam, dialogam com o conteúdo do curso, faclitando a elaboração do conjunto de conhecimento que compõe a formação de um profissional do saneamento, de um especialista da área”.

Complementaridade entre o público e o privado

Sobre a importância do tema da discussão: “A Interação entre o Público e o Privado no Setor de Saneamento”, Rafael comenta que país acaba experimentando diferentes agendas e vez por outra a agenda é sobre desestatização, outras vezes, o protagonismo é do estado do desenvolvimento. “O que o seminário tenta propor é a complementaridade e a interação entre os dois setores”, reforça. “O Brasil tem necessidade na participação de investimento privado, na gestão e capacidade de inovação do setor privado, sobretudo em regiões muito carentes (e também em regiões metropolitanas que experimentam atrasos importantes nesta área) de saneamento –  abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotamento sanitário”, avalia.

O especialista pondera que “o país carece, sim, da participação do setor privado, mas não pode desprezar o conhecimento acumulado das empresas públicas, o que foi construído ao longo de décadas, o comprometimento dos profissionais do saneamento, que foi necessário para superar a realidade de décadas em que o Brasil investiu menos do que deveria em infraestrutura”. De acordo com Castilho, o saneamento nas últimas décadas foi o patinho feio da infraestrutura por razões, muitas vezes, políticas porque existe o entendimento que saneamento não dá voto. “Foi um esforço muito grande diante da conjuntura da realidade estrutural que o país viveu. Então, não é razoável desconsiderarmos a importância do comprometimento dessas empresas e profissionais do setor público de saneamento”, frisa.

Para concluir, Rafael reafirma: “o seminário propõe refletir sobre um ambiente futuro – próximo- de desenvolvimento em que exista a interação e a complementaridade entre o dinamismo, a eficiência e a inovação do investimento do setor privado com o conhecimento acumulado, a experiência e o comprometimento social das empresas públicas”. A finalidade, segundo ele, “é termos no Brasil um setor de saneamento que deixe de se concentrar nas regiões mais ricas (melhorando a prestação dos serviços também nessas áreas mais desenvolvidas) e consiga alcançar regiões mais remotas e que tenha reflexo não só no atendimento, mas também no desenvolvimento humano, na saúde, na preservação do meio ambiente e no desenvolvimento do país como um todo”, conclui.

Participe! Inscreva-se.

O MBA Saneamento Ambiental é fruto da parceria da FESPSP, por meio de seu Núcleo de Estudos e Pesquisas Socioambientais e Núcleo de Pesquisa em Ciências Sociais, com a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES e UNIABES.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *